Categoria: Fertilizantes foliares

16
fev

Conheça os benefícios e usos do óleo de laranja

Os óleos de frutas cítricas são há muito tempo conhecidos por suas propriedades medicinais. O óleo essencial da casca de laranja, em especial, têm sido usado em diversas áreas relacionadas a medicina, agricultura e ao bem-estar.

Esse componente é muito empregado na indústria de cosméticos e produtos dermatológicos por seu poder antioxidante, que tem o potencial de evitar o envelhecimento das células. O óleo de laranja também encontra utilidade em tratamentos quimioterápicos pelo mesmo motivo, auxiliando na absorção de certas drogas e, portanto, diminuindo a concentração necessária destas para que sejam obtidos resultados.

Na indústria de alimentos, dá cor e sabor a muitos produtos industrializados. Seu valor terapêutico também é reconhecido há bastante tempo, sendo indicado como estimulante digestivo, no tratamento contra insônia e como regulador do sistema linfático.

Na indústria automobilística, o óleo de laranja tem sido combinado com a borracha natural na fabricação de pneus. Essa inovação, anunciada pela fabricante Yokohama, aumenta a resistência térmica ao aquecimento, o que reduz a resistência à rolagem e otimiza a autonomia do veículo.

Seu uso também já é bastante conhecido no manejo de culturas agrícolas por suas propriedades estabilizantes – e por esse motivo é um dos componentes do Torange, fertilizante mineral de aplicação foliar da Omega. Aliado a nitrogênio, boro e outros macro e micro componentes, garante o perfeito desenvolvimento de diversas culturas, além de estimular a elaboração das proteínas, enzimas, clorofila e ácido nucleico nas plantas.

Conheça os demais benefícios do Torange!

19
jul

Fertilizantes foliares a base de aminoácidos

O desenvolvimento das culturas é controlado por fatores ecofisiológicos, genéticos e tratos culturais, culminando em respostas fisiológicas e/ou hormonais por parte das plantas. Neste sentido, o uso de produtos com aminoácidos vem se intensificando em sistemas de produção de grãos, obtendo ótimos resultados nas lavouras.

Os aminoácidos podem vir a ser enquadrados no grupo de antiestressantes, que são compostos capazes de agir em processos morfofisiológicos da planta como ativadores de enzimas e da disponibilização de compostos capazes de promover tolerância a estreses.

 

A formação dos aminoácidos e como são absorvidos pelas plantas

Os aminoácidos são a menor parte da proteína e são formados por carbono, hidrogênio, oxigênio e nitrogênio, sendo de fácil absorção pelas plantas. Por possuir peso molecular muito baixo, consomem pouca energia da planta para sua absorção (a absorção de fertilizantes foliares pelas plantas foi discutido em post anterior).

As plantas necessitam de 20 aminoácidos para a síntese de proteína. Alguns são mais absorvidos pelas folhas, outros pelas raízes e têm ações específicas como bioestimulantes para que sejam produzidos fitormônios que atuam nos pontos de crescimento das plantas.

A absorção no tecido vegetal é mais rápida devido ao efeito do aumento da permeabilidade dos aminoácidos sobre a cutícula em uma aplicação foliar. A carga iônica do metal (nutriente) é neutralizada pelos aminoácidos de maneira semelhante aos quelatos sintéticos, evitando que o metal seja submetido às forças de atração e repulsão presentes na cutícula da folha.

Os aminoácidos podem formar complexos com cátions como Zn, Cu, Mn e Fe, protegendo-os e aumentando sua disponibilidade para as plantas.

Funções dos aminoácidos e o efeito antiestresse

As principais funções dos aminoácidos estão atribuídas à síntese de proteínas. Eles também são precursores de fitohormônios, responsáveis pelo efeito quelatizante em nutrientes e outros agroquímicos, além de serem fonte de energia para as plantas.

As melhores respostas da utilização de aminoácidos têm sido em situações de estresses bióticos como os relacionados ao ataque de pragas e doenças, e abióticos como desordem nutricionais, deficiência hídrica, estresse térmico e relacionados à aplicação de defensivos químicos, em especial herbicidas.

A aplicação do aminoácido antes, durante e após condições estressantes têm um efeito preventivo e de recuperação, liberando das plantas toxinas acumuladas durante o período de estresse.

Fertilizantes foliares enriquecidos com aminoácidos

A Omega Nutrição Vegetal apresenta em seu portfólio de produtos a Linha Aminum, que é formada por produtos essencialmente constituídos por aminoácidos específicos.

Podemos destacar nesta linha o THOR CICLO, rico em aminoácidos específicos que auxiliam na recuperação das plantas submetidas a condições ambientais adversas como transplante, fitotoxidade por agroquímicos, geada, ventos, poda, granizo, alagamento e seca.

Outro produto de destaque na Linha Aminum é o THOR DEFENSE, que combina íons fosfito e nutrientes como níquel e manganês que induzem o sistema de defesa e o sistema imunológico da planta contra fungos.

Esses produtos trazem benefícios às plantas contribuindo para o aumento de resistências adquiridas, aumento da resistência a estreses bióticos e abióticos, melhora o teor de açúcares e proteínas, o florescimento e pegamento dos frutos, assim como a qualidade dos frutos e dos grãos.

Você tinha conhecimento da importância da utilização de fertilizantes foliares com aminoácidos para as plantas? Deixe seu comentário sobre o assunto e assine nossa newsletter para receber mais conteúdos relacionados à área.

29
jun

A absorção dos fertilizantes foliares pelas plantas

A fertilização foliar consiste na aplicação de nutrientes em solução ou suspensão na parte aérea das plantas, visando suplementar ou complementar a nutrição da planta nos períodos de grande consumo de nutrientes, favorecendo assim o equilíbrio nutricional.

Pela aplicação de fertilizantes foliares se consegue fazer a correção de micronutrientes que têm baixas concentrações no solo e eficiência reduzida na aplicação via solo e dos macronutrientes em épocas de elevada exigência pelas plantas.

Vias de absorção dos fertilizantes foliares

Os processos pelos quais os fertilizantes foliares aplicados são posteriormente utilizados pelas plantas incluem a adsorção foliar, a penetração cuticular, que se dá pela travessia do elemento pela cutícula cerosa e paredes das células epidérmicas por difusão, absorção no interior dos compartimentos metabolicamente ativos na folha e posterior translocação a utilização do nutriente absorvido pela planta.

Estruturas epidérmicas, como estômatos e lenticelas, que podem estar presentes na superfícies de folhas e frutos, são permeáveis as soluções aplicadas a superfície e podem desempenhar papel importante na sua absorção.

Fatores que influenciam a absorção dos fertilizantes foliares

A absorção do nutrientes aplicados via fertilizantes foliares podem ser influenciados por fatores inerentes à folha, aos nutrientes, às soluções aplicadas e a fatores externos.

Fatores inerentes à folha

Para favorecer a absorção de nutrientes, a estrutura da folha deve ter cutícula fina, alta frequência de estômatos e, geralmente, a maior absorção ocorre na nervura central e nas margens das folhas. A presença de ceras e cutina fazem parte da composição química das folhas: quanto maior a presença, maior será a dificuldade de absorção. A idade da folha interfere na absorção devido as folhas mais jovem possuírem maior capacidade de absorção que as folhas mais velhas.

Fatores inerentes aos nutrientes

A velocidade de absorção foliar varia de nutriente para nutriente. Existem os nutrientes considerados móveis (N, P, K, Mg, Cl), os parcialmente móveis (S, Zn, Cu, Mn, Fe, Mo) e os imóveis (Ca, B). O raio iônico dos nutrientes também afeta a absorção, pois a velocidade de difusão aumenta quando diminui o seu raio iônico e vice-versa.

Fatores inerentes às soluções aplicadas

A concentração das soluções aplicadas em doses altas sobre as folhas podem não prejudicar algumas plantas, mas podem levar à morte plantas mais sensíveis. Deve-se ter cuidado com a mistura de nutrientes na mesma solução, para que o produto final seja benéfico a planta.

A presença de agentes surfactantes e molhantes impedem a evaporação da solução e diminuem a tensão superficial das gotas, promovendo melhor distribuição sobre a folha. O efeito do pH pode interferir, pois os cátions (+) são absorvidos em pH mais altos que os ânions (-).

Fatores externos

A luz é indispensável para a absorção foliar. A disponibilidade de água no solo faz com que a cutícula se mantenha hidratada favorecendo a penetração dos nutrientes. A temperatura ideal para absorção dos nutrientes fica em torno dos 21°C e quando há ocorrência de vento favorece a rápida evaporação da solução e a umidade atmosférica retardam e evaporação da solução, pois mantêm a cutícula hidratada.

Gostou de saber sobre os fatores que interferem na absorção dos fertilizantes foliares? Assine nossa newsletter e fique por dentro de todas as novidades!