Arquivos: julho 2016

25
jul

Influência das condições climáticas na qualidade do solo

A qualidade do solo é a capacidade de um solo funcionar dentro dos limites de um ecossistema natural ou manejado, para sustentar a produtividade de plantas e animais, manter ou aumentar a qualidade do ar e da água e promover a saúde das plantas, dos animais e dos homens.

O sistema solo é um meio onde ocorrem diversas reações e pode ser considerado como resultado de uma rede de relações complexas entre os sub-sistemas mineral, plantas e organismos, além da atuação das condições climáticas especificas de cada região (temperatura, umidade ao ar, ventos, precipitação).

Indicadores de qualidade do solo

Os indicadores de qualidade do solo formam um conjunto de dados mínimos que são utilizados para avaliar o comportamento das principais funções do solo. Eles podem ser físicos, químicos e biológicos.

Um eficiente indicador deve ser sensível às variações do manejo, bem correlacionado com as funções desempenhadas pelo solo, capaz de elucidar os processos do ecossitema, ser compreensível e útil para o agricultor, de fácil e barata mensuração.

Indicadores e a relação com a qualidade do solo

Para uma boa escolha do indicador de qualidade do solo é de suma importância conhecer a sua relação com a mesmo. Aqui vamos citar alguns exemplos desta relação:

  • Matéria orgânica do solo: está relacionada com a fertilidade, estrutura e estabilidade do solo;
  • Estrutura do solo: retenção, transporte de água e nutrientes;
  • pH: atividade biológica e disponibilidade de nutrientes;
  • Condutividade elétrica: crescimento vegetal e atividade microbiana;
  • Mineralização de nutrientes: produtividade do solo e potencial de suprimento de nutrientes;
  • Fixação biológica do nitrogênio: potencial de suprimento de nitrogênio para as plantas.

A matéria orgânica é um dos melhores indicadores de qualidade do solo, pois se relaciona com inúmeras propriedades físicas, químicas e biológicas. Também satisfaz o requisito básico de ser sensível à modificações pelo manejo do solo e ainda é fonte primária de nutrientes às plantas, influenciando a infiltração e a retenção de água.

Condições climáticas e a influência na qualidade do solo

A matéria orgânica é considerada um dos principais indicadores de qualidade do solo e também um dos que sofre maior interferência das condições climáticas, principalmente em regiões de clima tropical e subtropical, como é o caso do Brasil.

Ambientes tropicais e subtropicais são caracterizados pela incidência de elevada radiação solar, elevada temperatura e ocorrência de chuvas com alta erosividade. Essas características do ambiente são fundamentais no entendimento do efeito das práticas de manejo na qualidade do solo.

Essas condições climáticas resultam em taxas altas de composição de resíduos e da matéria orgânica do solo, fazendo com que o ocorra a diminuição de um dos mais importantes indicadores de qualidade do solo.

Altas temperaturas, radiação solar e ocorrência de chuvas também possibilitam o cultivo de uma diversidade de espécies vegetais durante todo ano. Aproveitando essa possibilidade deve-se optar por um manejo adequado com a utilização de culturas com alta produção de resíduos e nitrogênio, pela inclusão de leguminosas na rotação, resultam em um aumento significativo dos estoques de carbono orgânico do solo, e consequentemente os teores de matéria orgânica do solo.

Deseja saber mais sobre a qualidade do solo? Assine nossa newsletter e receba todas as informações sobre este e outro assuntos da área.

19
jul

Fertilizantes foliares a base de aminoácidos

O desenvolvimento das culturas é controlado por fatores ecofisiológicos, genéticos e tratos culturais, culminando em respostas fisiológicas e/ou hormonais por parte das plantas. Neste sentido, o uso de produtos com aminoácidos vem se intensificando em sistemas de produção de grãos, obtendo ótimos resultados nas lavouras.

Os aminoácidos podem vir a ser enquadrados no grupo de antiestressantes, que são compostos capazes de agir em processos morfofisiológicos da planta como ativadores de enzimas e da disponibilização de compostos capazes de promover tolerância a estreses.

 

A formação dos aminoácidos e como são absorvidos pelas plantas

Os aminoácidos são a menor parte da proteína e são formados por carbono, hidrogênio, oxigênio e nitrogênio, sendo de fácil absorção pelas plantas. Por possuir peso molecular muito baixo, consomem pouca energia da planta para sua absorção (a absorção de fertilizantes foliares pelas plantas foi discutido em post anterior).

As plantas necessitam de 20 aminoácidos para a síntese de proteína. Alguns são mais absorvidos pelas folhas, outros pelas raízes e têm ações específicas como bioestimulantes para que sejam produzidos fitormônios que atuam nos pontos de crescimento das plantas.

A absorção no tecido vegetal é mais rápida devido ao efeito do aumento da permeabilidade dos aminoácidos sobre a cutícula em uma aplicação foliar. A carga iônica do metal (nutriente) é neutralizada pelos aminoácidos de maneira semelhante aos quelatos sintéticos, evitando que o metal seja submetido às forças de atração e repulsão presentes na cutícula da folha.

Os aminoácidos podem formar complexos com cátions como Zn, Cu, Mn e Fe, protegendo-os e aumentando sua disponibilidade para as plantas.

Funções dos aminoácidos e o efeito antiestresse

As principais funções dos aminoácidos estão atribuídas à síntese de proteínas. Eles também são precursores de fitohormônios, responsáveis pelo efeito quelatizante em nutrientes e outros agroquímicos, além de serem fonte de energia para as plantas.

As melhores respostas da utilização de aminoácidos têm sido em situações de estresses bióticos como os relacionados ao ataque de pragas e doenças, e abióticos como desordem nutricionais, deficiência hídrica, estresse térmico e relacionados à aplicação de defensivos químicos, em especial herbicidas.

A aplicação do aminoácido antes, durante e após condições estressantes têm um efeito preventivo e de recuperação, liberando das plantas toxinas acumuladas durante o período de estresse.

Fertilizantes foliares enriquecidos com aminoácidos

A Omega Nutrição Vegetal apresenta em seu portfólio de produtos a Linha Aminum, que é formada por produtos essencialmente constituídos por aminoácidos específicos.

Podemos destacar nesta linha o THOR CICLO, rico em aminoácidos específicos que auxiliam na recuperação das plantas submetidas a condições ambientais adversas como transplante, fitotoxidade por agroquímicos, geada, ventos, poda, granizo, alagamento e seca.

Outro produto de destaque na Linha Aminum é o THOR DEFENSE, que combina íons fosfito e nutrientes como níquel e manganês que induzem o sistema de defesa e o sistema imunológico da planta contra fungos.

Esses produtos trazem benefícios às plantas contribuindo para o aumento de resistências adquiridas, aumento da resistência a estreses bióticos e abióticos, melhora o teor de açúcares e proteínas, o florescimento e pegamento dos frutos, assim como a qualidade dos frutos e dos grãos.

Você tinha conhecimento da importância da utilização de fertilizantes foliares com aminoácidos para as plantas? Deixe seu comentário sobre o assunto e assine nossa newsletter para receber mais conteúdos relacionados à área.

06
jul

Impactos da biotecnologia moderna na agricultura brasileira

O Brasil é um país com grande potencial para o desenvolvimento da biotecnologia agrícola, graças à grande diversidade biológica, pela riqueza em plantas, animais, micoorganismos e por possuir um forte sistema nacional de pesquisa agrícola.

A biotecnologia agrícola pode ser dividida em dois segmentos. No primeiro estão as biotecnologias tradicionais, onde as mais utilizadas são a cultura de tecidos, o controle biológico de pragas e a fixação de nitrogênio. O segundo é conhecido como biotecnologia moderna, onde estão a engenharia genética e os estudos genômicos.

Importância para a agricultura

O surgimento da biotecnologia moderna marca o início de um novo estágio para a agricultura e reserva papel de destaque à genética molecular. Os avanços da genética vegetal reduziram a dependência da agricultura das inovações mecânicas e químicas, que foram os pilares da revolução verde.

A biotecnologia moderna tem grande importância para a agricultura, pois além do aumento da produtividade, contribui para a redução dos custos de produção, para a produção de alimentos com melhor qualidade e para o desenvolvimento de práticas menos agressivas ao meio ambiente.

Os impactos da biotecnologia

O maior impacto da biotecnologia moderna na agricultura é a possibilidade de produzir plantas geneticamente modificadas, com novos atributos e independentes da compatibilidade sexual entre as espécies.

Essa transferência de gene entre espécies visa o desenvolvimento de uma planta com um atributo de interesse econômico, como é o caso das plantas resistentes a vírus e a pragas.

Existem também os impactos econômicos dos cultivos geneticamente modificados comercializados atualmente no mundo, devido a tolerância a herbicidas e resistência a insetos.

Cultivos tolerantes a herbicidas

Com a utilização da soja RR (Roundup Ready) houve impactos significativos sobre os custos de produção e produtividade, devido a diminuição do número de aplicações de herbicidas, facilitando o controle de plantas daninhas e reduzindo o risco da falta de controle das mesmas.

Em algumas regiões do mundo, a soja RR, além da redução dos custos de produção, fez com que houvesse expansão da área plantada, pelo controle de plantas daninhas que haviam tomado conta de algumas áreas.

A redução dos custos variáveis, principalmente com herbicidas, máquinas e mão-de-obra, foi mais que suficiente para compensar o aumento do custo com sementes.

A soja transgênica, de maneira geral, não só causou impacto sobre os custos de produção, como também sobre o rendimento e os volumes de produção e comercialização.

Cultivos resistentes a insetos

O principal impacto da utilização de cultivos resistentes a insetos foi a redução dos gastos com inseticidas, implicando na diminuição do custo variável de produção.

Segundo dados da FAO (Food and Agriculture Organization of the United Nations), a produção de algodão consome cerca de 25% de todos os praguicidas agrícolas utilizados em todo mundo. Os resultados mais evidentes do uso do algodão Bt são justamente a redução dos custos, o aumento do rendimento e a produtividade.

A utilização do milho Bt também causou impactos positivos sobre a produtividade, sobre o lucro e sobre os custos de produção. A amplitude desse impacto variou em função da incidência de pragas em cada região.

Além dos impactos sobre o custo, a utilização do milho Bt está permitindo um maior aproveitamento deste cereal para a produção de alimento humano e animal, devido aos níveis de fumonisinas (toxinas) encontradas nos grãos de milho Bt serem menores que nas variedades convencionais.

Você quer saber mais sobre os impactos da biotecnologia moderna na agricultura brasileira? Assine nossa newsletter e fique pode dentro de todos os assuntos!