Blog

07
dez

Agricultura familiar e sua importância na segurança alimentar do país

Quando o assunto é agricultura familiar e agronegócio uma grande confusão entre termos acaba ocorrendo, já que muitas pessoas acreditam se tratar de uma mesma atividade. Mas as diferenças são gritantes, e apesar de serem do mesmo nicho de negócio as características de cada um são completamente distintas.

Segundo relatório "Perspectivas Agrícolas 2015-2024" divulgado pela Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) e elaborado em parceria com a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) o Brasil será o maior exportador de alimentos da próxima década, suprindo as deficiências alimentares no mundo, que chega atualmente a seus 800 milhões de pessoas passando fome. 

É preciso ressaltar que mais de 70% do consumo nacional de alimentos no Brasil é originado da agricultura familiar, e que a integração de uma agricultura voltada para a exportação e uma agricultura interna (agricultura familiar) é a chave para o sucesso. Mas o que seria agronegócio? Do que difere da agricultura familiar? O que representa no cenário nacional estes dois negócios? Confira o post e tire todas às duvidas. Acompanhe!

Agronegócio ou agricultura familiar: qual a diferença?

A definição de agronegócio é simples e basicamente consiste num conjunto de empresas que processam e transportam alimentos. De forma simplificada, como o próprio nome diz, é um negócio cujo foco é a agricultura. Já a agricultura familiar pode ser definida como uma forma de organização, na qual são trabalhadas atividades agropecuárias e não propriamente a agropecuária de base familiar.  O negócio é praticado em áreas comunitárias próximas ou em estabelecimento rural pelos próprios familiares, sendo explorado por uma só família. É preciso considerar que no caso do agronegócio as operações podem ser realizadas em vários estados e comunidades, enquanto que a agricultura familiar é realizada principalmente dentro da comunidade local.

Agricultura familiar no cenário nacional

A agricultura familiar vem desempenhando um importante papel na economia do país e para a segurança alimentar. No cenário nacional ela corresponde a 38% do valor bruto da produção agropecuária e chega a ser responsável por mais de 70% dos alimentos que chegam à mesa dos consumidores brasileiros. Outro importante aspecto é a geração de empregos, chegando a empregar três vezes mais do que a agricultura não familiar.

Para 2015/2016, a estimativa do Plano Safra da Agricultura Familiar é disponibilizar R$ 28,9 bilhões em recursos para financiar o negócio, envolvendo entre custeio e investimento. Para agricultores familiares, a taxa de juros de 0,5% (microcrédito) a 5,5% será disponibilizada, estimulando o desenvolvimento e oportunizando o financiamento da atividade num cenário mais favorável.

O Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) vem conquistando e expandindo a produção de muitos agricultores familiares brasileiros. Entre julho e setembro foram realizados 530 mil contratos  de financiamento, alcançando a marca de R$ 7,45 bilhões de créditos. O destaque foi para as mulheres, das quais participarem em quase 150 mil contratos, equivalendo a R$ 1 bilhão.

Gostou do artigo? Compartilhe conosco sua opinião nos comentários abaixo!